sábado, 23 de fevereiro de 2013

Sempre achei a falta de argumento dos filmes porno

uma coisa redutora e desnecessária já que podiam foder na mesma, mas com um enredo melhor. Está bem que quem decide ver um filme porno não quer ouvir falar dos valores da bolsa mas aquela cena do técnico do gás ir lá tratar de uma fuga e ao fim de cinco minutos estar com as calças nos tornozelos e o mangalho na boca da gaja é uma transição um nadinha brusca para mim. Aquela coisa do estagiario estar a tirar fotocópias e às tantas já estar a fotocopiar as nádegas da chefe podia ser mais harmoniosa. O jardineiro passar da poda à foda em segundos não me assiste, pronto. Bom, isto tudo para dizer que esta semana veio cá o técnico da EPAL trocar-me o contador da água. Volvidos três dias, estou em crer que podia muito bem ter vivido na primeira pessoa uma história tórrida não fosse o facto do gajo ser um bagulho. Esta minha mania de ser simpática tem mesmo de acabar, o meu Caetano já me explicou a imensidão do processo cognitivo masculino e mesmo assim eu não me convenço. Até me deu algumas guidelines:
"Ela sorriu-me, quer-me comer."
"Ela disse bom dia, quer-me comer."
"Ela olhou para mim, quer-me comer."
"Ela hoje vem de gola alta e galochas, está-me a provocar."
"Ela é simpática, lambona!"
Bom, quando o jovem terminou o que tinha a fazer pediu-me o número e eu dei, convencida que era rotina. Cinco minutos depois recebi uma mensagem que, senhores, fosse eu uma pêga, me teria feito convidá-lo a voltar para me fazer uma revisão aos canos (know what I mean?):
"Oi."
"Tudo bem?"
(Dois dias depois) "O meu nome é Rafael, falamos há uns dias:"
"Diz-me o teu nome."
"Não entendo porque não me falas."
Já vi pessoas serem internadas por menos e o gajo precisa retomar a medicação para a psicose asap. Partilhei este momento alto da minha semana com o Caetano que, prontamente, me arranjou uma solução: "Faz um anúncio com o número dele num site gay". Gotta love my man. Se houver por aí alguma moça solteira com desejos ardentes e atracção pelo abismo, eu faculto o número. Se acabarem às postas é que não me responsabilizo.

4 comentários:

pastora disse...

ahahaha caraças! o Caetano tem razão! merece!

A Chata disse...

Podes estar a perder a oportunidade da tua vida!! :p

Arisca disse...

Pastora, entretanto pegou no pouco juízo que devia ter e parou com a palhaçada :)

Chata, córror pah!

Dani disse...

Oh , mulher tu és crente! E foste dar o número ao gajo, doidinha.

Web Analytics